Início Cadeira 45 Antõnio Aleixo

Antõnio Aleixo

É o patrono da .

Nasceu Antônio Aleixo, em Ouro Preto, na Província de Minas Gerais, no dia 02 de fevereiro de 1884. Era filho de José Caetano Aleixo e de Maria Francisca de Faria Aleixo.
Fez os estudos secundários no Colégio Caraça, em Santa Bárbara, a seguir, no Colégio dos Salesianos, em Cachoeira do Campo, e depois no Colégio Mineiro, em Ouro Preto, todos em Minas Gerais.
Rumou para a Bahia e matriculou-se na Faculdade de Medicina de Salvador, a qual cursou por algum tempo.
Transferiu-se para a Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro e ali concluiu o curso médico em 1908, com a tese: “pertubações-vasculares da Ancilostomose”.
Em 1909, fixa residência em Belo Horizonte, exerce a Chefia do Serviço de tuberculose do Pavilhão Koch da Santa Casa de Misericórdia, e ocupa uma uma Cátedra na Escola de Odontologia e Farmácia da cidade.
Inaugurou e Chefiou Dermato-Sifiligráfica da Santa Casa, em 1910, ao mesmo tempo em que orientava a Clínica do Dispensário Bueno Brandão.
Participou do III Congresso Brasileiro de Medicina e Cirurgia no ano de 1911, em Belo Horizonte, como trabalho “Dermatoneurose na Tuberculose” e, no mesmo ano, foi um dos fundadores da Faculdade de Medicina, ocupando nela a Cadeira de Clínica Dermatológica de Sifiligráfica.
Assume a Presidência da Associação Médico-Cirúrgica de Minas Gerais. É nomeado Inspetor do Serviço de Lepra e Doenças Venéreas de Minas Gerais, onde permanece de 1922 a 1930. Pela sal dedicação à classe humilde coube a ele o cognome de “Médico dos pobres”.
De 28 de março de 1933 a maio de 1934 foi Diretor da Faculdade de Medicina da Universidade de Minas Gerais, quando o Professor Alfredo Balena do qual era vice, esteve impedido de fazê-lo.
Elege-se Vereador da Câmara Municipal de Belo Horizonte e torna-se Presidente entre 1936 e 1937.
Dirigiu o Centro de Estudos da Lepra, em 1938, e fundou a Sociedade de Dermatologia de Belo Horizonte, da qual foi Presidente, e a Revista “Arquivo Mineiro de Dermato-Sifiligrafia”, sendo dela o primeiro redator. Deixou cerca de 20 de trabalhos publicados, o que era surpreendente para a época.
Fez a escolha do terreno destinado à “Colônia Santa Isabel” em Betim, em Minas Gerais, do Leprósio de Itanhenga, no Espírito Santo, a convite do governo Capixaba, e da Colônia Antônio Aleixo em Manaus, iniciada em 1940.
Fundou, juntamente com amigos, em 1943, a Sociedade Mineira de Agricultura e ocupou o posto de Tenente-Coronel Médico da Reserva do Exército Brasileiro.
Modesto, não gostava de publicidade para os seus trabalhos, mas, devido à insistência dos colegas, terminava publicando-os em jornais e revistas científicas.
Muitos destes tiveram menção de dermatologistas franceses, alemães, norte-amercianos e italianos, especialmente um sobre “dactiloscopia patológica”, citado em obras de autores com renome mundial.
Em sua homenagem a cidade de Belo Horizonte deu a uma rua e a um grupo escolar o seu nome.
Faleceu em 08 de junho de 1943.

Texto: Christobaldo Motta de Almeida

Ocupantes da Cadeira 45

Antõnio Aleixo

02/02/1884 08/06/1943

Josephino Aleixo

Posse: 22/11/1970 - atualmente

José Luiz de Vasconcelos Barros

Posse: 10/03/1994 - 01/03/2001

José de Araújo Barros-

Posse: 13/03/2003 - 01/04/2008

Otoni Moreira Gomes

Posse: 01/03/2009 - atualmente
Cadeira anterior Cadeira 44
Próxima Cadeira Cadeira 46